Provavelmente você já ouviu falar na Taxa Selic. Recentemente ela tem sido o foco da parte de economia dos noticiários. Mas qual é a sua importância e como ela pode ajudar ou prejudicar seus investimentos?

A Selic é a Taxa básica de juros, ou seja, ela serve de referência para toda a economia brasileira.

De uma maneira simples, a Taxa Selic é um instrumento usado pelo Banco Central do Brasil para controlar a inflação e estimular a atividade econômica.

No Banco Central há um Comitê de política monetária (o Copom) que realiza uma reunião a cada 45 dias para analisar a situação econômica do país. Nessa reunião, o Copom estabelece a Meta da Taxa Selic.

Na ata dessa reunião constam as informações e previsões sobre a atividade econômica que dão base para a manutenção ou alteração dessa Meta.

A Meta é diferente da Taxa Selic realizada

Para o investidor é essencial diferenciar a taxa Selic realizada da Meta que é estabelecida de tempos em tempos pelo Banco Central.

Por lei todos os bancos comerciais devem ter no fim do dia uma parte dos seus recursos depositados em uma conta no Banco Central. Para cumprir essa exigência, essas instituições acabam sendo obrigados a pegar empréstimos de outros bancos diariamente.

Como os bancos detêm muitos títulos públicos (aquele mesmo que você pode comprar pelo tesouro direto), eles usam esses títulos como garantia desses empréstimos.

No fim do dia, o sistema que controla esses empréstimos entre bancos (cuja garantia está em tesouro) calcula a média das taxas praticadas. Essa média calculada é a taxa Selic realizada naquele dia (conhecida também como Selic over).

Dessa maneira, a taxa realizada é calculada diariamente, enquanto a Meta dessa taxa é determinada a cada reunião do Copom.

Portanto, o rendimento do tesouro Selic é calculado com base na taxa realizada (ao ano) e não na Meta da taxa Selic. Quando mostrei como simular o rendimento do tesouro Selic já havia comentado isso.

E como está a Meta da Taxa Selic?

No momento que escrevo esse artigo, a taxa Selic realizada está em 12,90% ao ano. Por outro lado, a meta da Selic está em 13% ao ano.

taxa selic

A Meta Selic da última reunião do Copom foi de 13%

Perceba no histórico acima que a meta da Selic está caindo desde de outubro de 2016. Sendo que a redução nessa taxa tem acelerado ultimamente, pela inflação em queda (medida pelo IPCA) e pela necessidade de estimular a economia.

Em 2015 a inflação esteve acima de 10% no ano. Na ocasião, o Banco Central manteve a Meta da Selic alta também (14,25%) para forçar uma queda na inflação.

Como a Selic é uma taxa básica da economia, uma Meta de Selic alta costuma ser uma barreira ao crescimento da economia. Isso ocorre pois os empréstimos ficam mais caros e, em geral, as pessoas evitam investir nas empresas e na produção.

Portanto, pela recente queda da inflação e para destravar a economia, há uma tendência de queda nessa taxa.

Como aproveitar a queda da Selic?

Em um artigo artigo anterior, indiquei a compra do tesouro Selic para os iniciantes no tesouro. Porém, a queda na Selic vai fazer com que esse tipo de título pague cada vez menos.

Por outro lado, na queda da Selic, os investidores ficam mais otimistas com a possibilidade de crescimento econômico. Isso faz com que as taxas dos tesouros prefixado e IPCA+ diminuam causando uma alta valorização desses títulos.

taxa selic

Você pode aproveitar a venda antecipada desses títulos e ganhar mais do que o normal com os tesouros prefixado e IPCA+. Porém, sabendo do risco de desvalorização desses títulos, você deve usar uma estratégia para ter bons ganhos protegendo seus investimentos.

De uma maneira geral, para proteger seu dinheiro é necessário colocar mais da metade dele em investimentos conservadores (que não desvalorizam diante de um inesperado). Na outra parte, você pode correr um risco maior para ter um maior retorno também.

Uma excelente estratégia de proteção com bons resultados é a alocação de ativos. De uma maneira simples, consiste em conhecer o quanto você suporta de risco nos seus investimentos e considerar isso a cada compra de ativos. Isso faz com que seus investimentos entrem numa espécie de piloto automático.

No próximo artigo vou explicar com exemplos mais claros como usar a alocação de ativos. Não deixe de conferir como colocar em prática essa estratégia e acelerar o caminho para sua independência financeira.

Se você tiver alguma dúvida ou sugestão, não deixe de comentar. Será um prazer poder ajudá-lo com sua dúvida.

Compartilhe com seus amigos:

Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedinmail